Instagram is a terrible product. Reason number 357

Suppose you are scrolling through Instagram.

Suddenly you find something that interests you and you expand the caption to read the full post.

It’s an interesting read and leaves you wanting to know more about the subject of the post. In this case, it’s a post about, let’s say, an award show whose name doesn’t really matter at the moment, but on the red carpet, three actors arrive together and you now want to learn a little more about them. You’re not sure if they’re in a TV show together, a movie together, or just friends. In the post you are reading on Instagram, the names of the three actors are mentioned in the caption.

You switch to your cell phone browser and search for the name of the first actor that interested you. You then read about it on Wikipedia and go to IMDB to take a look at the productions that person participated in. Cool! Then you think: time to go back to Instagram and look for the two other artists who were in the photo.

When you go back to Instagram, the app reassembles the feed and you will never see that post again. The end.

O governo Lula precisa de um blog nos moldes do blog da petrobras

(Estas reflex√Ķes come√ßaram a ser escritas durante o per√≠odo de transi√ß√£o do governo de Jair Bolsonaro e Lula, ao final de 2022. A ideia era recomendar que fosse adotada pelo governo Lula uma abordagem semelhante √† que a Petrobras iniciou durante o per√≠odo cr√≠tico da opera√ß√£o Lava Jato)

A digitalização da comunicação, evidenciada pela inserção das tecnologias interativas no cotidiano da sociedade, proporciona uma série de desdobramentos. Um exemplo desses desdobramentos é o deslocamento do poder que, no contexto de um mundo conectado, é também compartilhado com aqueles que outrora não dispunham do ferramental necessário para serem também emissores (Castells, 2015).

A agora ub√≠qua capacidade de indiv√≠duos tamb√©m poderem emitir informa√ß√Ķes neste suporte interativo evidencia um contexto comunicacional marcado pelas intera√ß√Ķes diretas entre a origem de uma informa√ß√£o e a sua audi√™ncia (Finnemann, 2011) demonstrando a forma√ß√£o de uma din√Ęmica menos transmissiva e mais dial√≥gica, interativa e personalizada (Martinuzzo, 2014).

Neste contexto podemos perceber a emerg√™ncia da comunica√ß√£o direta; ou ao menos da entrega de informa√ß√Ķes diretamente de um emissor (que pode ser uma pessoa, uma marca, uma entidade de governo ou uma figura p√ļblica) e uma audi√™ncia que se disp√Ķe a se conectar com este emissor, sem a intermedia√ß√£o de uma entidade de m√≠dia; um ve√≠culo da m√≠dia de massa (Oliveira e Mendes, 2020). A este fen√īmeno de conex√£o entre a fonte de informa√ß√£o e a sua audi√™ncia por meio de m√≠dias digitais interativas, chamamos desintermedia√ß√£o. Embora o conceito de desintermedia√ß√£o venha recebendo cr√≠ticas recentes (Taylor e Marx, 2023) – estas ser√£o tratadas oportunamente em nova publica√ß√£o – o potencial, mesmo com as interven√ß√Ķes relatadas por Taylor e Marx (2023) por parte das plataformas de m√≠dia social, prevalecem.

Da mesma forma que nas rela√ß√Ķes entre indiv√≠duos, a desintermedia√ß√£o provoca altera√ß√Ķes na comunica√ß√£o organizacional. Num contexto regido pela comunica√ß√£o nas m√≠dias de massa n√£o era poss√≠vel para as organiza√ß√Ķes estabelecer di√°logos com a mesma facilidade ou com os mesmos recursos multimodais agora dispon√≠veis. A Internet representa de forma consolidada este conjunto de recursos, considerados significativamente transformadores da cultura e da sociedade (Hjavard, 2015).

Criado como um espa√ßo para funcionar como plataforma de conversa√ß√£o entre a organiza√ß√£o e a sociedade (Lemos, 2009), o Blog da Petrobras, intitulado Fatos e Dados, representa bem um processo de desintermedia√ß√£o proporcionado pelas tecnologias interativas, j√° tendo sido, inclusive, objeto de investiga√ß√Ķes sobre converg√™ncia (Moschetta e Jacopetti, 2009; Tr√§sel, 2009), o impacto no processo de produ√ß√£o de not√≠cias (Loose e Franzoni, 2009) e a imagem da organiza√ß√£o (Barbosa, 2012).

O blog da Petrobras faz parte de um conjunto de espa√ßos conversacionais onde a organiza√ß√£o pode estabelecer um contato direto com a sociedade com a oportunidade de construir a sua pr√≥pria narrativa. Sua cria√ß√£o coincide com o per√≠odo da hist√≥ria brasileira em que a Petrobras fazia parte do notici√°rio nacional em fun√ß√£o das investiga√ß√Ķes relacionadas aos esquemas de corrup√ß√£o descobertos envolvendo a empresa (Oliveira e Mendes, 2020). O blog Fatos e Dados se coloca, ent√£o, como uma fonte oficial de informa√ß√Ķes simplificadas e esclarecedoras da organiza√ß√£o, abordando suas a√ß√Ķes e esclarecendo eventuais problemas que possam ser desenvolvidos a partir de interpreta√ß√Ķes feitas sobre os fatos em publica√ß√Ķes na internet e na m√≠dia de massa.

Durante o governo Bolsonaro, de 2019 a 2022, a Presid√™ncia da Rep√ļblica se dirigia semanalmente por meio de v√≠deos transmitidos ao vivo em diferentes canais nas plataformas sociais comerciais (Soares, 2021). Este comportamento permitiu que o ent√£o presidente da rep√ļblica estabelecesse um canal de comunica√ß√£o desintermediada – pelo menos potencialmente, visto que as plataformas sociais comerciais ainda realizam a intermedia√ß√£o conforme apontado por Astra Taylor em Taylor e Marx (2023) – com a sua audi√™ncia. Embora este tipo de a√ß√£o seja eficiente em termos de conquista de um alcance potencial alto e uma comunica√ß√£o dentro dos moldes da j√° abordada desintermedia√ß√£o, h√° uma quest√£o importante a considerar sobre seu formato.

As transmiss√Ķes ao vivo de Jair Bolsonaro enquanto presidente da rep√ļblica apresentavam um formato est√©tico bastante question√°vel. A impress√£o √© a de que se constru√≠a uma aura de espontaneidade e simplicidade bastante artificiais (Costa, 2023). Al√©m disso, a linguagem utilizada e a forma que as informa√ß√Ķes eram tratadas deixavam uma impress√£o de que as decis√Ķes eram tomadas na base do improviso. Esta abordagem proporcionava inegavelmente uma aproxima√ß√£o com importante parcela da popula√ß√£o que apoiava o presidente. No entanto, n√£o havia nenhum princ√≠pio b√°sico de jornalismo ou mesmo de comunica√ß√£o organizacional aplicado nos conte√ļdos das transmiss√Ķes. Al√©m disso, faz parte da quest√£o relacionada a essas transmiss√Ķes ao vivo a aus√™ncia de qualquer tipo de verifica√ß√£o ou mesmo contextualiza√ß√£o das informa√ß√Ķes passadas. Ao que parece ser, este tipo de abordagem era intencional e ajudou a criar enorme ruido na comunica√ß√£o e nas din√Ęmicas envolvendo o acompanhamento noticioso do governo.

O conjunto de t√°ticas operadas pelo governo Bolsonaro em suas transmiss√Ķes ao vivo colaboraram de sobremaneira para o acirramento da polariza√ß√£o pol√≠tica no pa√≠s e tamb√©m para o crescimento no comportamento de descren√ßa na m√≠dia de massa e no jornalismo no Brasil bem como proporcionou v√°rios epis√≥dios de espalhamento de desinforma√ß√£o no pa√≠s.

A sugest√£o seria, portanto, a de que o governo Lula adotasse postura e t√°ticas semelhantes √†s da Petrobras e n√£o as que foram operadas pelo governo de Bolsonaro. Estabelecer um canal formal de comunica√ß√£o direta e desintermediada por meio de um blog e n√£o de uma plataforma social comercial. Al√©m disso, a ado√ß√£o de uma abordagem formal e institucional de transmiss√£o da informa√ß√£o. Motiva esta sugest√£o a necessidade de uma recupera√ß√£o de credibilidade do governo e da ideia de que processos est√£o sendo executados dentro dos tr√Ęmites formais e corretos. De igual maneira a ado√ß√£o deste formato possibilitaria o escrut√≠nio por parte da m√≠dia de massa em uma din√Ęmica que poderia proporcionar uma retomada da credibilidade tanto da classe e dos processos pol;√≠ticos quanto da pr√≥pria midia de massa.

√Č f√°cil compreender como pode se parecer atraente e convidativa a ado√ß√£o de uma est√©tica informal de comunica√ß√£o e a entrega de informa√ß√Ķes de forma desordenada (falsamente espont√Ęnea) por meio das plataformas sociais comerciais. Entretanto, a perpetua√ß√£o desta est√©tica pode proporcionar consequ√™ncias ruins num longo prazo justamente porque isola a imprensa do processo e das din√Ęmicas comunicacionais que envolvem o governo e colabora com o crescente descr√©dito da popula√ß√£o acerca da classe e dos processos pol√≠ticos e, claro, da pr√≥pria imprensa.

Infelizmente a escolha do governo Lula foi a de dar sequ√™ncia a este tipo de abordagem com algumas adapta√ß√Ķes. Esta abordagem tem se mostrado ineficiente porque, em primeiro lugar gera a possibilidade de compara√ß√£o com o governo anterior (Nadir e Albernaz, 2023), o que j√° √© ruim. Em segundo lugar n√£o chega efetivamente a alcan√ßar os mesmos resultados que o governo anterior junto √† sua base, que se comporta de uma forma um pouco diferente daquela de seu antecessor.

REFERÊNCIAS

BARBOSA, Valéria Magalhães. Blog corporativo: uma ferramenta para fortalecer a imagem institucional. Revista Ciências Humanas, [S. l.], v. 3, n. 2, 2012.

CASTELLS, Manuel. O Poder da Comunicação. São Paulo / Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.

COSTA, J√ļlia Morena. Emula√ß√Ķes da Precariedade e Autenticidade nas Cenas Bolsonaristas: An√°lises da Est√©tica da Extrema-Direita Brasileira. Revista Letra Magna, v. 19, n. 32, 2023.

FINNEMANN, Niels Ole. Mediatization theory and digital media. Communications, [S. l.], v. 36, n. 1, p. 67‚Äď89, 2011.

HJARVARD, Stig. Da Media√ß√£o √† Midiatiza√ß√£o: a institucionaliza√ß√£o das novas m√≠dias. Par√°grafo, [S. l.], v. 3, n. 2, p. 51‚Äď62, 2015.

LEMOS, A. Nova esfera conversacional. Esfera p√ļblica, redes e jornalismo, [S. l.], v. 6, n. 3, p. 9‚Äď30, 2009.

LOOSE, Eloisa B.; FRANZONI, Sabrina. Acontecimento: a invers√£o na rela√ß√£o entre jornalista e fonte de informa√ß√£o evidenciada no blog da Petrobr√°s. In: 2009, Anais[…]. . In: 7oENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM JORNALISMO SBPJOR. [s.l: s.n.]

MARTINUZZO, Jos√© Antonio. Os p√ļblicos justificam os meios. S√£o Paulo: Summus Editorial, 2014.

MOSCHETTA, A. P.; JACOPETTI, A. M. Convergência no jornalismo: o caso do blog da Petrobrás. SBPJor-ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM JORNALISMO, [S. l.], v. 7, 2009.

NADIR, P.; ALBERNAZ, I. Flopou: Lula chega a 2,5 mi de visualiza√ß√Ķes com 10 lives semanais. 23 ago. 2023. Dispon√≠vel em: <https://www.poder360.com.br/governo/flopou-lula-chega-a-25-mi-de-visualizacoes-com-10-lives-semanais/>. Acesso em: 3 jan. 2024.

OLIVEIRA, Caio C. G.; MENDES, Laila A. Organiza√ß√Ķes Midiatizadas: um olhar sobre as narrativas percebidas no blog da Petrobras e em outras publica√ß√Ķes na Internet sobre a nova gasolina brasileira. In: 2020, Anais [‚Ķ.]. . In: 43¬ļ Congresso Brasileiro de Ci√™ncias da Comunica√ß√£o. [s.l: s.n.]

SOARES, M√īnica Melchiades. Populismo e p√≥s-verdade na gest√£o do primeiro ano da pandemia do Coronav√≠rus no Brasil: as lives semanais de Jair Bolsonaro no YouTube. 2021. Tese de Doutorado. Instituto Superior de Ci√™ncias Sociais e Pol√≠ticas.

TAYLOR, A.; MARX, P. Why tech makes us more insecure. Tech Won’t Save Us, 21 dez. 2023. Disponível em: <https://www.techwontsave.us/episode/199_why_tech_makes_us_more_insecure_w_astra_taylor>. Acesso em: 3 jan. 2024

TR√ĄSEL, Marcelo. Comunica√ß√£o mediada por computador e newsmaking: o caso do blog da Petrobras. In: 2009, Anais[…]. . In: XXXII CONGRESSO BRASILEIRO DE CI√äNCIAS DA COMUNICA√á√ÉO. [s.l: s.n.]

so, here we are… 2024!

first day of a new year. time for new beginings and to try (or restart) doing new things and get back on good old habits. in my case, both.

2023 let’s agree was not the most productive year of my life. i know we must not attatch our goals only to productivity but this must be said. nonetheless it was a year of mental health recovery. i am not 100% but i feel i am o.k. to start new things in 2024.

a few goals are

  • i’ll put my reading up to date. there are four books waiting to be read on my nightstand.
  • i’ll post more frequently here. this seems to be a comeback of old habits.
  • i’ll try to learn new things in a proper way. hope to report on the progress related to this soon.
  • i’ll try to manage mental health and anxiety. this is the hardest one.

let’s see what i can accomplish in this new year.

Mastodon / fediverso e idiomas

Depois de 48 horas, terminou a enquete que eu coloquei no Mastodon para saber se as pessoas seguiam perfis que publicavam conte√ļdo em idiomas diferentes daqueles que elas falam nativamente. Foram 4255 votos e 792 compartilhamentos. O alcance que esta enquete teve superou qualquer expectativa que eu poderia ter. Com apenas pouco mais de 650 seguidores quando comecei a enquete, ela chegou a quase sete vezes o n√ļmero de pessoas que representam a minha audi√™ncia potencial inicial na plataforma.

Para além da questão do alcance, os resultados da pergunta de minha enquete foram bem interessantes. Para muitas pessoas que responderam e comentaram isso parece óbvio e algo que nem precisava ter uma pergunta para saber. No entanto, uma coisa parece passar desapercebida para a maioria das pessoas quando o assunto é a plataforma Mastodon e o fediverso no geral: como o mastodon / fediverso não recebe interferência algorítmica no processo de seleção e sortimento dos posts e na montagem dos feeds, aqui temos mais acesso a postagens de pessoas que escrevem em outros idiomas.

Em plataformas com interferência algorítmica, como as plataformas comercialmente exploradas, isso acontece o tempo todo. Assim, naqueles espaços, o que acontece é que Рmesmo que você opte por seguir uma pessoa que escreve em outro idioma Рos algoritmos de sortimento e exibição de postagens operam para que você não veja estas postagens ou veja menos postagens de idiomas que não são o seu idioma nativo. Os algorirmos partem do pressuposto de que você fala apenas o idioma de seu sistema ou aquele que você sinalizou interagindo nas primeiras postagens que você viu na plataforma quando começou a utiliza-la (claro que sinais como localizaçào geográfica do aparelho e a localização declarada do endereço IP associado a você quando criou seu cadastro interferem também; são muitos os sinalizadores).

Em plataformas que n√£o s√£o manipularas por algoritmos, como o Mastodon, isso n√£o acontece. Assim, se voc√™ opta por seguir cinco perfis de pessoas de cinco pa√≠ses diferentes que postam suas publica√ß√Ķes em cinco idiomas diferentes, voc√™ vai ver tudo o que estas pessoas publicam. Isso muda de forma substancial as possibilidades de intera√ß√Ķes com diferentes pessoas e as eventuais rela√ß√Ķes que se constroem nestes ambientes. Foi para tentar descobrir como as pessoas se relacionam com este conte√ļdo que eu fiz a enquete.

Agradeço enormemente a todos que responderam e participaram! Aprendi muito com os comentários e os relatos de uso.

Vamos continuar usando o Mastodon / fediverso para conhecer mais pessoas e mais ideias legais e encurtarmos as dist√Ęncias, inclusive removendo as barreiras de linguagem!

O Mastodon (na verdade, o fediverso) é o lugar para estar

Eu uso plataformas sociais desde que elas apareceram. Estou conectado e postando h√° mais tempo do que gosto de admitir.. ūüôā

Confesso que meu entusiasmo pelo Mastodon (e pelo fediverso, claro) só aumenta a cada dia.

Hoje pela manh√£ eu tive a ideia de perguntar para as pessoas que me seguem (pouco mais de 650) no Mastodon se elas seguiam pessoas que falam / postam em outros idiomas que n√£o o seu idioma nativo (link para o post). Quis saber isso porque eu interajo bastante com pessoas que falam outros idiomas na plataforma. Queria saber se meu caso era comum.

 

Nem nos meus sonhos mais ousados eu conseguiria este alcance e este engajamento em outra plataforma. Eu tinha mais de 1300 seguidores no Twitter quando apaguei a minha conta e j√° cheguei a ter mais de 800 seguidores no Instagram.

Nunca, jamais, qualquer postagem minha naquelas plataformas chegou perto disso. No Mastodon eu tenho pouco mais de 650 seguidores e esta minha postagem recebeu mais de 230 compartilhamentos e a enquete mais de mil e duzentos votos em cinco horas.

O mastodon e o fediverso s√£o o lugar para estar. Olha que eu n√£o vivo de produzir conte√ļdo. Imagino que a coisa seja ainda mais bacana para quem trabalha com isso.

O potencial é gigantesco.

Feliz aniversário, Mihály Csíkszentmihályi!

Hoje o Doodle do Google √© em homenagem ao 89¬ļ Anivers√°rio de Mih√°ly Cs√≠kszentmih√°lyi.

Este autor foi muito importante para mim quando eu ainda estava cursando o mestrado. Aprender sobre o Flow naquele momento foi crucial. Depois disso, virou figurinha garantida em minhas aulas. Além do Flow, recomendo muito o livro The meaning of things.

So I am back at using Firefox

As previously said my browser usage could change and I am not ashamed of it.

Last week I decided on going back to Firefox as my daily / default browser.
The main reason was not ideological. The thing that made me switch back to Firefox was one particular extension / add-on: Firefox Multi-Account Containers.

So my decision was purely based on my need to be logged in into three Microsoft accounts simultaneously: one for my personal OneDrive storage (unfortunately I have not yet found a better and cheaper solution for my family’s cloud storage needs) and two different accounts for my work (for some strange reason my employer decided it would be better to keep academic relations and administrative tasks running on two separated Teams instances. It is a nightmare but it seems I am the only one who thinks so).

The only manageable way to deal with this mess was to use this extension / add-on. And it work flawlessly. This plug-in is so good I completely ignore the lack of PWA support in Firefox just to access the set of benefits it provides me.

So here it is: I am back at using Firefox as my one and only browser and it is working great. I set up sync and now am using it in my phone and in both my computers. Performance is as good as in Brave and Vivaldi.

Also, participating in Teams meetings improved a lot in Firefox. The interface for using Teams in a Firefox window resembles a lot the experience I have when using the native desktop app. It is significantly different than using it in a chromium browser so I guess that’s another point for Firefox.

I must also say that one minor annoyance I had related to Firefox has a workaround and it makes using Firefox visually better now.

The positive side effect (is this such a thing?) is that by using Firefox I support an alternative web; the one I believe. So no negative points at all. PWAs are nice, but this is better. For now.

A transformação digital aconteceu em 1997

Outro dia eu li no Mastodon (agora praticamente a √ļnica plataforma social com caracter√≠sticas mais assemelhadas a rede que tenho usado) esta frase e o conceito ficou bem marcado.

De fato, a transformação digital já aconteceu há tempos.

Entretanto, infelizmente, neste ano de 2023, ainda temos empresas, gestores e pr√°ticas que evidenciam que h√° um enorme atraso em trabalhar a quest√£o digital nas pr√°ticas empresariais.

O exemplo de hoje é emblemático. Veja a imagem abaixo e preste atenção nos horários das mensagens.

Estamos vivendo um contexto bem interessante e animador para implementação de multiplos canais convergentes de comunicação, atendimento e, claro, de vendas.

O WhatsApp se mostra como um grande trunfo para empresas agilizarem processos e inclusive realizar vendas de maneira personalizada e √°gil.

Entretanto, práticas e implementação de sistemas com poucos recursos ou uma operacionalização deficiente podem atrapalhar mais do que ajudar no processo. O ocorrido comigo que está ilustrado na imagem que mostrei acima é um exemplo de algo que não deve acontecer. Jamais.

Por mais que o dia esteja atípico, uma espera de mais de 4 horas para realizar um atendimento digital é algo realmente que afasta o cliente deste canal e, talvez, até da marca.

Colocar o atendimento via WhatsApp √© algo que deve ir muito al√©m de implementar um bot para coletar os dados dos usu√°rios e direcionar as mensagens para um atendente real. √Č preciso que este atendente real tenha a estrutura e o acesso a recursos para colocar este tipo de atendimento em p√© de igualdade com o atendimento que o consumidor teria se estivese presencialmente na loja.

Nesse sentido, h√° que se pensar tamb√©m em uma equipe que n√£o seja reduzidade pessoal de atendimento, bem como este pessoal precisa estar equipado com acesso a sistemas de estoque para consulta e informa√ß√£o para fornecer ao consumidor os dados mais atualizados. De maneira complementar, este pessoal de atendimento precisa fazer parte de uma equipe integrada de vendas que receba os mesmos treinamentos e acesso √†s mesmas informa√ß√Ķes que os demais profisionais de atendimento t√™m acesso.

Ou seja: a transformação digital, de forma efetiva, já ocorreu há muitos anos. Gestores precisam compreender que se estão com este assunto em pauta no dia de hoje, estão muito atrasados e precisam agir com grande esforço para tentar reverter a situação de défcit.

About browsers and my particular use

I’ve been using a combination of Linux on my computers and iOS on my cell phone for a few months now. Previously, when I used the macOS operating system on my computers and iOS on my cell phone, it was a pretty easy choice. I used Safari and lived my life.

However, when I started using Linux on my computers, a new demand appeared: I needed a web browser that would synchronize tabs between the two systems and that wouldn’t compromise my computers’ RAM.

Remembering that I migrated to Linux on computers because my equipment is older (a 2012 MacMini and a 2015 MacBook Air) and the Apple system I used on them was no longer supported (specifically for the Mac Mini).

After installing Linux Mint (Debian Edition) on my computers, I noticed that the system was much more responsive and adapted well to older hardware. Right off the bat, I got to keep the default browser (Firefox) and it was doing fine. I used Firefox a lot on my Mint (Debian based version). The multi-account-container plugin is excellent.

However, a few things caused it to flash a red light in my use with Firefox:
– Firefox’s RAM memory consumption seemed high to me and the computer’s performance was below expectations.
– Firefox’s support for MS Teams (which I use for work) is below par. Joining a meeting or teaching a class with Teams in Firefox is impractical.
– Firefox doesn’t support PWAs and I really like using some websites as apps. As examples, I mention Simplenote, WhatsApp and MS Teams itself. I prefer to use these services as PWAs. I know that there is a Teams application, for example, for Linux, the performance is very bad.

Therefore, after much consideration, I decided to switch to a Chromium-based browser, as they would meet my demands (tab synchronization, performance and PWA support). My automatic choice was Vivaldi. It has everything I need (especially since the trial version for iOS was recently released). I started using this browser.

After a period of using Vivaldi, which is very good, by the way, I found myself a little frustrated with the fact that, precisely because it is still in an experimental period on iOS, I cannot set it as the default browser on the system , which always gave me some headaches because it doesn’t open links from other apps natively (because it’s not the default browser).

In that sense, I ended up migrating to Brave.
Both (Vivaldi and Brave) are very good. Brave did better because the way they implement support for PWAs seemed more interesting to me. In addition, it has the ability to be set as the default browser on the cell phone (with iOS).

This way, my usage was optimized with Brave on all devices and a series of services / websites running with PWAs. One thing to strongly consider is that there is no Chrome extension that comes close to the Firefox plugin for multiple accounts in containers.

This was something I had to balance and I decided to go with Brave.
Brave has that crypto-related issue, but just remove all mentions of crypto stuff from Brave via settings and life goes on. Also it has really nice support for using TOR and an included .torrent client (the latter doesn’t work 100% well, I must say).

Still on Brave, I must register that I know about the controversial issues about Brendan Eich’s attitude towards the LGBTQIA+ community, but I needed to prioritize using a browser that has good support for my demands (being the default on iOS and Linux), who could run MS Teams and who had a good way of dealing with PWAs. It’s quite possible that when Vivaldi becomes available outside of Testflight and can be set as the default browser on iOS, I’ll end up revising my choice.

Anyway. Although choosing apps is something very personal and subjective, here’s my story. I hope it helps someone who is with similar demands.

Ainda Sem Nome… 6 anos se passaram

Hoje √© dia 27 de junho de 2023. H√° exatos seis anos era publicado o epis√≥dio de n√ļmero 135 do podcast Ainda Sem Nome. Este acabou sendo o √ļltimo epis√≥dio do podcast.

O Ainda Sem Nome nasceu em 2011 e foi um projeto muito legal que conduzi com o Felipe Menhem, que anos antes havia sido meu colega de trabalho quando eu trabalhei em uma produtora web entre 2002 e 2003. Acabamos ficando amigos e resolvemos prosear um bocado sobre o que vivíamos no fabuloso universo da comunicação digital.

O podcast nos trouxe muitas alegrias e aprendizados. Foi intenso e bastante divertido. Chegamos a fazer algumas pausas porque eu precisei terminar minha tese de doutorado e também porque em outros momentos apenas ficamos de saco cheio.

Durante os mais de seis anos e 135 edi√ß√Ķes que fizemos muita gente bacana passou pelo Ainda Sem Nome e muita coisa legal foi discutida. Criamos uma pequena comunidade que sempre escutava os epis√≥dios e colaborava com sugest√Ķes de pauta e feedback sobre como est√°vamos tocando a coisa.

Desenvolvemos novas habilidades de produ√ß√£o, transmiss√£o, grava√ß√£o e edi√ß√£o de √°udio e v√≠deo que s√£o √ļteis at√© hoje. Enfim, √© um projeto pelo qual tenho grande carinho.

Tanto que, coincidentemente, exatamente no dia de hoje, terminei de colocar todos os episódios em meu canal no YouTube, para fins de backup. Você pode conferir tudo o que foi feito na playlist que criei (e reproduzo aqui embaixo) e  também no canal oficial do Podcast, que o Felipe está publicando também. Há muitos episódios que são atemporais.

PS: Revendo os episódios para colocar no YT eu vi que foi em maio de 2017 que falamos do Mastodon por lá. Foi bem bacana. Já naquela época falamos também de fake news e da revolução da transmissão esportiva no site de vídeos do Google.