A transformação digital aconteceu em 1997

Outro dia eu li no Mastodon (agora praticamente a √ļnica plataforma social com caracter√≠sticas mais assemelhadas a rede que tenho usado) esta frase e o conceito ficou bem marcado.

De fato, a transformação digital já aconteceu há tempos.

Entretanto, infelizmente, neste ano de 2023, ainda temos empresas, gestores e pr√°ticas que evidenciam que h√° um enorme atraso em trabalhar a quest√£o digital nas pr√°ticas empresariais.

O exemplo de hoje é emblemático. Veja a imagem abaixo e preste atenção nos horários das mensagens.

Estamos vivendo um contexto bem interessante e animador para implementação de multiplos canais convergentes de comunicação, atendimento e, claro, de vendas.

O WhatsApp se mostra como um grande trunfo para empresas agilizarem processos e inclusive realizar vendas de maneira personalizada e √°gil.

Entretanto, práticas e implementação de sistemas com poucos recursos ou uma operacionalização deficiente podem atrapalhar mais do que ajudar no processo. O ocorrido comigo que está ilustrado na imagem que mostrei acima é um exemplo de algo que não deve acontecer. Jamais.

Por mais que o dia esteja atípico, uma espera de mais de 4 horas para realizar um atendimento digital é algo realmente que afasta o cliente deste canal e, talvez, até da marca.

Colocar o atendimento via WhatsApp √© algo que deve ir muito al√©m de implementar um bot para coletar os dados dos usu√°rios e direcionar as mensagens para um atendente real. √Č preciso que este atendente real tenha a estrutura e o acesso a recursos para colocar este tipo de atendimento em p√© de igualdade com o atendimento que o consumidor teria se estivese presencialmente na loja.

Nesse sentido, h√° que se pensar tamb√©m em uma equipe que n√£o seja reduzidade pessoal de atendimento, bem como este pessoal precisa estar equipado com acesso a sistemas de estoque para consulta e informa√ß√£o para fornecer ao consumidor os dados mais atualizados. De maneira complementar, este pessoal de atendimento precisa fazer parte de uma equipe integrada de vendas que receba os mesmos treinamentos e acesso √†s mesmas informa√ß√Ķes que os demais profisionais de atendimento t√™m acesso.

Ou seja: a transformação digital, de forma efetiva, já ocorreu há muitos anos. Gestores precisam compreender que se estão com este assunto em pauta no dia de hoje, estão muito atrasados e precisam agir com grande esforço para tentar reverter a situação de défcit.

We Need to Talk About Facebook: A Tease About platforming of social activities on the Internet

Translation note. This text was originally written in Brazilian Portuguese and presented at the 2019 edition of INTERCOM, at Belem (PA), Brazil. In view of the emergence of Mastodon and the problems involving Twitter, I decided to translate this text into English so that it would gain greater reach. In addition, I took the liberty of making minor corrections and additions to the content so that the reflections presented here are not restricted to Facebook.

SUMMARY

This text has as its main goal to reflect on the issues that involve and surround the prioritisation of the use of platforms to address the presence of both individual and as commercial in the digital context. For this purpose, a description of the transformed through which communication on the Internet has passed until reaching the context current. The focus is on Facebook (but the reflexions here can be applied to all other commercial social media platforms), taking into account the impact and influence of this company in social, political and commercial aspects. The text aims contextualize and problematize the focus on a communication mediated by platforms and their impacts on the lives of people and organisations. in the end they are listed some referral questions that may be preferred in thinking or proposals for future work.

FROM THE SOCIAL WEB TO FACEBOOK

In the mid-1990s, when Internet access began to be exploited commercially, enthusiasts discovered a different way of communicating. It wasn’t as easy as making a phone call, and it didn’t require the physical space, presence and engagement of a large number of people as a class.

Building a website and publishing any kind of information was an undertaking relatively easy, although it required specific knowledge of the language HTML developed years earlier by Tim Berners-Lee. Creating services like Blogger, developed by Pyra Labs in 1999, provided the necessary push for publishing content to reach the masses. The growth of personal websites and blogs practically accompanied the growth in the number of users who connected to the Internet for the first time each day during that period.

The production and distribution of information by people who were previously only readers and spectators gave rise to a new term. In a time when the Internet became part of the lives of societies, social media emerged.

From 2001, when the use of social platforms for publishing content starts to gain popularity, it also starts, which can be considered the future of journalism (GILLMOR, 2006). People (and later also companies) come to understand that, with social tools, they no longer need intermediaries to consume (and produce / disseminate) content. The wide adoption of social media marks the definitive migration to digital culture (SANTAELLA, 2003).

The communication model that prevailed at the time, in which media acted as the ‚Äúofficial sources‚ÄĚ of the events (GILLMOR, 2006; KAPLAN; HAENLEIN, 2010) gradually loses importance and starts to compete space with a new way of producing, distributing and consuming information. In that new cultural context, people and institutions of different types began to act and interact in a hybrid, dynamic environment where communicational flows could be multidirectional (CASTELLS, 2009).

Initially, this new context indicated that people and companies could act as producers and disseminators of information, being able to achieve efficiency in the process using social media, minimising or eliminating the power influence of the money (and mass media) in communication initiatives (KELLY, 2002).

The discovery and adoption of social media has proved to be very important for social and, of course, commercial dynamics. The logic of the mass media in which the struggle of public attention was a zero-sum game seemed to have been fully overcome. The adoption of social media, initially with websites, provided an understanding of that it was no longer necessary for a company to monopolize a particular medium nor a mass media channel to get your message out to a large number of people just for the purpose of starting a relationship with a fraction of that audience.

With social media, people began to understand that the principles of marketing one to one, presented at the turn of the 1980s to 1990s (PEPPERS; ROGERS, 1995) could come true. The commercial internet and the web were, then treated with great enthusiasm, providing a bright and euphoric era of social media. Manifests (LOCKE et al., 2000) and recipes for action (GODIN, 2000) potentiated the emergence of relationship marketing practices.

In terms of advertising communication initiatives, the action of publishing content on its own site, independently had its efficiency catalysed by the emergence of search engines like Google. With this type of combination, it was enough for companies to get the attention of those who are in the process of finding a solution is offered and show the offer. The possibility of reaching a potential buyer through an action based on his behaviour (the search) became known as winning the zero moment of truth, or ZMOT, for its acronym in English (LECINSKI, 2017) and, even today, it influences the development of advertising actions and of communication in the context of the internet. In this way ‚Äď as we are all in many parallel processes of searching for solutions to our day-to-day problems and constantly looking for information, news, products or just answers ‚Äď ended up developing a profitable advertising communication market around search activities and content published on social media (ENGE et al., 2012; FOX, 2010; HALLIGAN; SHAH, 2009).

The emergence and popularisation of Social Networking Sites (SNS) catalysed the process of people’s participation with publication and dissemination of content in the Internet. These services, by allowing and being based on the construction of a profile individual, where and through which people can connect with each other and show their connections; as well as publishing content and interacting with other people and their publications (BOYD; ELLISON, 2007; ELLISON; STEINFIELD; LAMPE, 2007; RECUERO, 2009, 2012) has provided profound changes in how people relate to each other (SPYER, 2017), inform themselves, deliberate on issues social and political, interact with brands and learn (ROCKEMBACH; GARR√Č, 2018; TEZANI, 2017).

It is through SNS that society presents itself and acts in the digital context. However, despite providing great enthusiasm, due to the increasingly prominent of this type of technological resource, it is necessary to reflect on these spaces; especially Facebook, which has more than 2.3 billion users 3 active monthly on the platform.

Despite being termed and commonly identified as an SRS, it is necessary to face Facebook (FB) as an enterprise that transcends this definition. Interestingly, when looking for a definition of what Facebook is on the company’s own website, there is no clear answer. In an interview, the company’s chief executive, Mark Zuckerberg, defines it as a space for information sharing where people can publish what they want (VOGELSTEIN, 2009). In this sense, more than an SNS, FB is also a social platform, bringing together the characteristics of an SNS and also those of social media (OBAR; WILDMAN, 2015).

But, taking into account that Facebook’s influence goes far beyond the sharing links, images and short texts with friends and family is I have to look at Facebook as something even bigger. In addition to people, companies and organisations of different natures use Facebook as a space for interaction with its internal and external audiences; explore the services offered by the company as communication platforms and customer service, which leads to understanding it as something that goes beyond the definition of a social networking site or social media. one can consider Facebook as a central agent in social relations; a platform which acts as an intermediary between agents of different modalities.

USERS OR EMPLOYEES? THREE MOVEMENTS TO UNDERSTAND THE FACEBOOK DOMAIN

In the early 2000s, more experienced internet users started using feeds and RSS aggregators to stay informed. At that time, the Internet was experiencing exponential growth in publishing multimedia content and keeping up with the updating of various sites through RSS feeds and readers (or aggregators) it brought great gain to the people.

The process of production, circulation and consumption of information was, at that time, context, very site-centric. In a very important strategic move for the company (reference) Facebook implements a way to, at the same time, learn about the habits and preferences of its users, and provide this user with a way of showing his network which sites he values and admires. The ‚Äúlike‚ÄĚ button, created in 2009, provided FB with the possibility of gathering information about its users and their habits.

In the meantime, despite the solution provided by RSS feeds and aggregators, the process for this to work satisfactorily represented an enormous amount of barriers for most people. In a second very strategic movement for the company, in 2011 the Facebook news feed is made available. this solution proved to be FB’s easy and efficient answer to the difficulty that most people people faced with RSS.

With these two moves ‚Äď the like button and the news feed ‚Äď Facebook becomes a central space for social life on the network. It constitutes as the a place where people’s tastes and habits are exposed, functioning as buttons, in a way form similar (but not necessarily identical) to those observed when on display of Orkut communities into personal profiles (RECUERO, 2006).

Creating the newsfeed converts Facebook to that place on the internet where everyone could publish content without needing their own website to do so. Through the newsfeed, people can follow each other’s posts practically in real time. This drives mass membership to the platform. Not it took a while for companies to also discover and start to explore that space. With this, the dynamics around the circulation of content becomes quite messy. People and brands fight for attention.

The solution to lessen information overload for users has been shown to be also as an opportunity for Facebook: the reduction in the organic reach of posts. Organic reach would be reduced so that brands that want to reach most of the audience they fought so hard to build could only be reached when Facebook got your money. Pay to achieve. The same logic as can be seen in the mass media. This solution is considered extremely strategically important because it is the perfect solution to provide FB with a template of business that guarantees you a continuous stream of income.

As said, these three moves ‚Äď recovering: like button, email feed news and control of the organic reach of posts ‚Äď are crucial for company consolidation.

In doing so, FB closes an important loop that provides the big business with power and, consequently, control over the lives of people and actions of companies.

It starts with monitoring and gathering information about people’s habits and tastes through the like button; This procedure assists in the collection of data that will help consolidate what we know as big data (COULDRY; POWELL, 2014). The second drive is the news feed, which gives people a space to centralised dissemination and consumption of information, without the difficulty represented by RSS. This second movement also takes companies into space, providing the noise to the FB, reason that is used as justification for the final movement: control of the organic reach of the posts.

In a way, that sums up Facebook: Everyone works for Mark Zuckerberg, even though they are not registered employees of the company. The people that use the web every day tell Facebook about their preferences via clicks on the like button on sites outside of FB and also on pages. Furthermore, Important information is provided through the engagement metrics, namely: Likes on posts, comments, shares, and link clicks. And the perfect illustration of the theme “The machine is us/using us” (WESCH, 2007).

Also, brands and other companies work for Zuckerberg by dumping content on FB and fighting to get more followers and build a larger audience for your posts in that space. The great advantage of these two forms of work provided to Facebook ‚Äď for people and companies – it’s obvious: there is no remuneration paid by Facebook to those who collaborate with data and content as explained above.

It is the third strategic move worked on in this section that provides the financial income direct to Facebook. By controlling the sorting and reach of posts, the entities present on FB that intend to publish messages destined to their tanners have to pay ever-increasing sums of money to be able to provide your posts with reach to a larger part of your audience tanners. It is also this strategic move by FB that puts it in the same position of mass media companies, as discussed below.

PLATFORMS AND MASS MEDIA: MORE SIMILARITIES THAN DIFFERENCES

Even though Facebook should be or was initially envisioned to be constituted as an SNS, its growth has transformed it into a platform with features on a list that far surpasses those of an SNS and business objectives others. In addition, its operation is based on a business model that resembles what we are used to seeing in the mass media.

Companies that operate following this logic are called ‚Äúattention merchants‚ÄĚ (WU, 2017). The operating logic of this type of entrepreneurship is simple. The objective of this type of business is to keep the attention of the people focused on their products interspersing content of interest with offers advertising. The product is offered free of charge to people and companies that aim to reach these people to show them their commercial offers pay to these operators (the merchants) who display the message to the users.

Facebook is a complete example of an attention merchant; operating within the same logic of selling advertising spaces, as seen in the context of the mass media, on TV or Radio programming. However, due to the possibility from the collection of user information, such as an advertising platform, Facebook can go much further than broadcasters and even segmented media publications. And it is at this point that a difference can be found crucial between the modes of operation of Communication companies in the mass media and platforms like Facebook.

The differential that is, at the same time, the guarantee of a distinctive capacity for FB and a threat to different social processes is the issue of context and behaviour. Through user control functionalities, it is possible to configure the Facebook news feed to display information only and posts of direct interest to people. This is done by liking (i.e.: opting for follow/view posts from specific pages) and following only those friends which people want to receive/see news in their feed. However, there are also the non-direct way to configure the feed. Facebook learns from people’s interactions people and starts to prioritise publications that the machine understands to be of greater interest for each one. The consequence of this is called a filter bubble (PARISER, 2012): people will visualize only what pleases them. With this it is expected (and achieved) that people will stay more and more time connected to the service. The longer connected, the greater the amount of advertising can be shown to each user scrolling through the newsfeed for news.

How Facebook is collecting information about your habits and likes users within the platform (through interactions with posts) and also outside ‚Äď through ‚Äúlike‚ÄĚ buttons and navigation tracking scripts installed on websites that choose to insert these buttons in their environments ‚Äď there is a virtually constant collection of countless information about people’s behaviour. FB’s initial justification for carrying out this type of action is that with these information the company will be able to provide increasingly intelligent filters to advertisers while providing users with exposure to advertisements that are more and more in line with your interests at any time.

Through this type of initiative based on people’s behaviour – Online Behavioural Advertising (BEALES, 2010; UR et al., 2012) ‚Äď Facebook inserts different advertisements; personalised in the feeds of each of your users. despite the initial logic be the same ‚Äď the platform acts as a message intermediary between advertiser and audience ‚Äď there are some potentially problematic issues in that application.

In the context of mass media, if two people are watching the same television program in their homes, but in different neighbourhoods of the same city, the advertising message they will watch is the same. In the case of Facebook, due to the fact that publications of an advertising nature can be based on the behaviour of each user, each of these users will be impacted by different messages.

The consequences of this type of guidance are many. Starting with itself nature of Facebook where advertisements and sponsored messages are not easily identified by users. In this sense, there is an initial difficulty of up to differentiate what is advertising and what is a post that would naturally appear naturally in the newsfeed.

In addition, due to the personalisation of the message based on filters that were built from the characteristics, habits, tastes and behaviours each user, advertising messages can also be highly personalised and tailored to trigger specific behaviours in each user.

This question brings to the table another complicating point that deserves to be duly questioned and studied.

Anyway, returning to the similarities with the business model of mass media, if a certain brand wants its message to reach a particular audience, you must pay Facebook for the platform to display this message in the form of ads or boosted posts (posts made by pages liked by users but not shown to them due to low organic reach controlled by the company itself).

Through this set of strategic procedures, Facebook and other social media platforms – much more similar to what was previously understood as mass media – are adopting traditional intermediation practices than as a Social Networking Site.

However, as stated, with filtering and ad targeting tools, FB is even more efficient than mass media in providing the visualisation of ads and posts only by users who fit or meet parameters specific.

The initial idea that the SNS would constitute open spaces where participants (be they people or companies) could relate, publish and make information to circulate independently is, in practice, a fantasy. To understanding FB as an attention merchant, the realisation that free and truly disintermediated communication evidences a rather easy to see. In addition, the issues and specificities of advertising exploitation based on user behaviour is potentially problematic.

To become financially viable, these entities start to intervene in what is displayed to your users. What is published in these spaces is no longer shown for all the people each user or brand is connected with; only part of these people view what is posted by their connections. In that sense, organic reach is reduced and non-organic reach prevails; that is, understood as ‚Äúunnatural‚ÄĚ and that needs to be inflated through boosting of posts and of course ads.

By introducing this form of relationship with posts and advertisements, it is established, then, a billing model based on the intermediation of posted messages. The adopted model is that only through payments to those who control the reach of the posts, those interested in having their messages consumed by their public can spread messages and have the audience reached.

Therefore, although the context is digital, the logic of mass media, based on financial power, is the one that still prevails. Those with more money can take advantage of the best seats at the best times on TV, print media or radio stations and reach your audience. On Facebook, those with money can make your posts reach your audience.

IS THERE A SOLUTION? FINAL REMARKS AND REFLECTIONS

It is necessary, in the first place, to reinforce the point that the Internet, and consequently the web is an open and free space. In this sense, understand that no good solution for the collective can come from giving up control of the spaces and delegate this power to a large company.

It is necessary to regain control of communication processes (production, circulation and consumption of information) in the digital context (LANIER, 2019). Be by through the adoption and maintenance of spaces that are not controlled by corporations or with other initiatives that are not subverted to the imperatives of big data (COULDRY; TUROW, 2014). Perhaps the answer lies in remembering that the web is an open system and that RSS is still a very current and used technology (HOLIDAY, 2013).

In addition, for both individuals and companies, it is important to keep in mind that this social space represented by FB has a function. The features of this space for connecting people, as listed in the characteristics of an SNS.

Furthermore, for companies, today Facebook is used as a way to attract people and place them at the top of a marketing funnel (HALLIGAN; SHAH, 2009). deny your useful to try to completely eliminate this service from the digital context can be harmful. However, it is important to prioritize its use. Spaces like FB can be very useful for publishing messages, but they should not be the only way to do it advertising communication in the digital context.

In terms of business communication, although, as mentioned above, Facebook can be a good space to publicize a message and get people to a website and start communicating with them, it is necessary to understand that FB should not be the only way to achieve this. And, returning to the aspect of interpersonal communication, it is necessary to if you consider it strategic for individuals not to provide data that may later be worked aiming not the best for each one, but to meet interests and corporate goals (COULDRY; TUROW, 2014; SEARLS, 2012; SILVEIRA, 2017).

It is not the best solution to solve the problem and meet the interest collective, letting one or a few corporations control or decide what can or not see (JURNO; D’ANDREA, 2017). That’s what mass media has always done and that’s what Facebook does. For companies, it is not smart to invest so much money in content and deploy efforts to create an audience that cannot be reached because the platform controls this reach via algorithm (GILLESPIE, 2018).

It is still necessary to consider the sequence of controversies involving Facebook, especially since the US presidential elections of 2016, when it was demonstrated that the platform had been used to influence outcomes of that claim based on data explored by the company Cambridge Analytica (GRANVILLE, 2018). Since that time, repeated problems involving the management and management of user data were evidenced, causing a significant reduction in company reliability.

As it is a publicly traded company, the issues and controversies to be respect for the privacy and access to the data of its users represented an impact in the value of shares traded on the stock exchange. As a result, Facebook comes working intensely on its image and, recently, announced a shift, no less controversial, towards a more privacy-oriented focus (SULLIVAN, 2019). The controversy of this turn is due to previous statements by Mark Zuckerberg on the end of privacy (JOHNSON, 2010). Therefore, the last attack of the company towards a scenario more focused on the protection of user data is viewed with much disbelief and scepticism; certainly deserving study and future follow-up.

There are still a number of issues to be considered involving Facebook that help to understand the argument of this article that we concentrate the presence ‚Äď both individual and institutional ‚Äď in the digital context on platforms it may not be beneficial. Some of them deserve referral here for future developments.

The first is related to the influence of what happens on the platform in election results, for example. Due to algorithmic manipulation and formation of filter bubbles, communication platforms and especially Facebook, play an important role in spreading disinformation and news false. Actions aimed at prioritising checked and verified information contradict the dynamic created and maintained by the platform to put in people’s newsfeeds that which originates in your circles of friendship. As a result, sources of information checks are pushed into the background, creating an even bigger problem. An

One of Facebook’s action fronts in this regard is to act as an intermediary, also in financial terms, between users and content (SLOANE, 2017). for representing more a financial barrier (both for vehicles and for users), this type of initiative has obvious developments that deserve attention, problematisation and investigation.

Another important issue concerns the proliferation of hate speech in platform and how the company handles it. Issues have recently come to light involving the precarious working conditions and remuneration of employees of companies contracted by FB that act as responsible for evaluating content posted and flagged on Facebook (NEWTON, 2019).

Finally, one last issue that deserves follow-up and referral refers to the question of Facebook’s dominance in different aspects of communication in the social context. So much so that one of its co-founders demonstrated, in an opinion article, the need for the company to be divided, given the influence and power it wields on actions and society (HUGHES, 2019).

It is hoped that, through this text, the main issues related to impacts of platform actions, especially Facebook, in the context of Digital Communication have been addressed. Furthermore, it is expected that contemplated the intention of forwarding a set of possible developments of investigation for future work regarding the important issue of the use of social platforms, especially Facebook.

REFERENCES

BEALES, H. The value of behavioral targeting. Network Advertising Initiative, v. 1, 2010.

BOYD, DANAH M.; ELLISON, N. B. Social Network Sites: Definition, History, and Scholarship. Journal of Computer-Mediated Communication, v. 13, n. 1, p. 210‚Äď230, out. 2007. Dispon√≠vel em: <https://academic.oup.com/jcmc/article/13/1/210-230/4583062>.

CASTELLS, M. Communication Power. [S.l.]: OUP Oxford, 2009. Disponível em: <https://books.google.com.br/books?id=5tEu8q-Aqn8C>.

COULDRY, N.; POWELL, A. Big data from the bottom up. Big Data & Society, v. 1, n. 2, p. 2053951714539277, 2014.

COULDRY, N.; TUROW, J. Advertising, big data and the clearance of the public realm: marketers‚Äô new approaches to the content subsidy. International Journal of Communication, v. 8, p. 1710‚Äď1726, 2014.

ELLISON, N. B.; STEINFIELD, C.; LAMPE, C. The Benefits of Facebook ‚ÄúFriends:‚ÄĚ Social Capital and College Students‚Äô Use of Online Social Network Sites. Journal of Computer-Mediated Communication, 10.1111/j.1083-6101.2007.00367.x, v. 12, n. 4, p. 1143‚Äď1168, 1 jul. 2007. Dispon√≠vel em: <http://dx.doi.org/10.1111/j.1083-6101.2007.00367.x>.

ENGE, E. et al. The Art of SEO. [S.l.]: O’Reilly Media, 2012. Disponível em <https://books.google.com.br/books?id=Pnv_6UJ_KKMC>. (Theory in practice).

FOX, V. Marketing in the Age of Google: Your Online Strategy IS Your Business Strategy. [S.l.]: Wiley, 2010. Disponível em: <http://books.google.com.br/books?id=F4rF5SxYqMEC>.

GILLESPIE, T. A relev√Ęncia dos algoritmos. Par√°grafo, v. 6, n. 1, p. 95‚Äď121, 2018.

GILLMOR, D. We the Media: Grassroots Journalism By the People, For the People. [S.l.]: O’Reilly Media, 2006. Disponível em: <https://books.google.com.br/books?id=5DMSVPEv86gC>.

GODIN, S. Marketing de permiss√£o : transformando desconhecidos em amigos e amigos em clientes. Rio De Janeiro: Campus, 2000.

GRANVILLE, Kevin. Facebook and Cambridge Analytica: What You Need to Know as Fallout Widens. The New York Times, New York, New York, USA, 2018.

HALLIGAN, B.; SHAH, D. Inbound marketing: get found using Google, social media, and blogs. [S.l.]: John Wiley & Sons, 2009.

HOLIDAY, R. Trust me, i’m lying: confessions of a media manipulator. [S.l.]: Penguin, 2013.

HUGHES, Chris. It’s Time to Break Up Facebook. The New York Times, New York, New York, USA, 2019.

JOHNSON, Bobbie. Privacy no longer a social norm, says Facebook founder. The Guardian, jan. 2010.

JURNO, A. C.; D‚ÄôANDREA, C. F. DE B. (In)visibilidade algor√≠tmica no ‚Äúfeed de not√≠cias‚ÄĚ do Facebook. Contempor√Ęnea-Revista de comunica√ß√£o e cultura, v. 15, n. 02, p. 463‚Äď484, 2017.

KAPLAN, A. M.; HAENLEIN, M. Users of the world, unite! The challenges and opportunities of Social Media. Business Horizons, v. 53, n. 1, p. 59‚Äď68, jan. 2010. Dispon√≠vel em:¬† <http://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S0007681309001232>.

KELLY, K. Novas regras para a nova economia. In: SHETH, J. N.; ESHGHI, A.; KRISHNAN, B. C. (Org.). . Marketing na Internet. Porto Alegre: Bookman, 2002. p. 23‚Äď36.

LANIER, J. Ten Arguments For Deleting Your Social Media Accounts Right Now. [S.l.]: Vintage, 2019.

LECINSKI, J. ZMOT: conquistando o momento zero da verdade. 2011. Acesso em, v. 30, 2017.

LOCKE, C. et al. O manifesto da economia digital. [S.l: s.n.], 2000.

NEWTON, C. The Trauma Floor: The secret lives of Facebook moderators in America.

OBAR, J. A.; WILDMAN, S. Social media definition and the governance challenge: An introduction to the special issue. Telecommunications Policy. [S.l: s.n.]. , 2015

PARISER, E. O filtro invisível: o que a internet está escondendo de você. [S.l.]: Zahar, 2012.

PEPPERS, D.; ROGERS, M. A new marketing paradigm: share of customer, not market share. Planning Review, v. 23, n. 2, p. 14‚Äď18, 1995.

RECUERO, R. Diga-me com quem falas e dir-te-ei quem √©s: a conversa√ß√£o mediada pelo computador e as redes sociais na internet. Revista FAMECOS, n. 38, p. 118‚Äď128, 2009.

RECUERO, R. Din√Ęmicas de redes sociais no Orkut e capital social. Raz√≥n y palabra, n. 52, p. 11, 2006.

RECUERO, R. O CAPITAL SOCIAL EM REDE: Como as redes sociais na Internet est√£o gerando novas formas de capital social//SOCIAL CAPITAL IN NETWORK: HOW INTERNET SOCIAL NETWORKS ARE GENERATING NEW FORMS OF SOCIAL CAPITAL. Contempor√Ęnea-Revista de comunica√ß√£o e cultura, v. 10, n. 3, p. 597‚Äď617, 2012.

ROCKEMBACH, G. R.; GARR√Č, B. H. O WhatsApp e os novos modos de aprender dos Jovens na atualidade. Revista Thema, v. 15, n. 4, p. 1404‚Äď1413, 3 out. 2018. Dispon√≠vel em: <http://periodicos.ifsul.edu.br/index.php/thema/article/view/1076>.

SANTAELLA, L. Da cultura das m√≠dias √† cibercultura: o advento do p√≥s-humano. Revista FAMECOS, n. 22, p. 23‚Äď32, 2003.

SEARLS, D. The Intention Economy: When Customers Take Charge. [S.l.]: Harvard Business Review Press, 2012. Disponível em: <https://books.google.com.br/books?id=jbK7wSwqOFgC>.

SILVEIRA, S. A. DA. Tudo sobre tod@s: Redes digitais, privacidade e venda de dados pessoais. [S.l.]: Edi√ß√Ķes Sesc SP, 2017.

SLOANE, G. FACEBOOK’S SUBSCRIPTION PLAN GIVES PUBLISHERS HOPE AT LAST.

SPYER, J. Social media in emergent Brazil: How the Internet affects social mobility. [S.l.]: London: UCL Press, 2017.

SULLIVAN, Margaret. Mark Zuckerberg claims that, at Facebook, ‚Äėthe future is private.‚Äô Don‚Äôt believe him. The Washington Post, 2019.

TEZANI, T. C. R. Nativos digitais: considera√ß√Ķes sobre os alunos contempor√Ęneos e a possibilidade de se (re) pensar a pr√°tica pedag√≥gica. DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educa√ß√£o, v. 19, n. 2, p. 295‚Äď307, 2017.

UR, B. et al. Smart, useful, scary, creepy: perceptions of online behavioral advertising. 2012, [S.l.]: ACM, 2012. p. 4.

VOGELSTEIN, F. The Wired Interview: Facebook’s Mark Zuckerberg. Wired, 2009.

WESCH, M. The Machine is Us/ing Us (Final Version). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=NLlGopyXT_g>.

WU, T. The attention merchants: The epic scramble to get inside our heads. [S.l.]: Vintage, 2017.

Mobile Marketing: Brasil Brokers / Gribel Pactual, você está fazendo isso errado

Nos √ļltimos seis meses eu devo ter recebido mais de 50 mensagens SMS da imobili√°ria¬†Brasil Brokers / Gribel Pactual¬†(pelo que pude perceber, √© tudo a mesma coisa).

Sempre me informando sobre lan√ßamentos imobili√°rios e me oferecendo im√≥veis que seriam excelentes op√ߊĻćes de investimento.

S√≥ tem um detalhe: eu nunca autorizei ningu√©m desta(s) imobili√°ria(s) a me enviar SMS. Eles coletaram meu n√ļmero quando liguei h√° aproximadamente um ano, para saber detalhes sobre um apartamento que queria comprar. O meu n√ļmero foi anotado apenas para que o corretor me retornasse a liga√ß√£o, em nenhum momento minha autoriza√ß√£o para envio de mensagens comerciais foi solicitada. Precisa desenhar ou j√° d√° para entender que se trata de SPAM?

Para piorar, os im√≥veis oferecidos nos an√ļncios (o que ilustra este post √© apenas o mais recente), n√£o se encaixam em meu perfil e muito menos est√£o alinhados com meus interesses.

Hoje (para ser honesto, agora h√° pouco), ao ter minha leitura e trabalho na tese interrompidos com o alerta do SMS no celular, resolvi ligar para dar um (novo) feedback para eles. No passado havia ligado e pedido encarecidamente que meu telefone fosse retirado da base (nessa ocasi√£o √© que eu identifiquei a imobili√°ria como sendo a Gribel Pactual). Obviamente, meu pedido n√£o foi respeitado, o que me fez correr atras de uma solu√ß√£o para o problema. Encontrei o¬†Blacklist, mas isso ajuda apenas em parte, uma vez que estes spammers enviam mensagens de n√ļmeros diferentes a cada vez.

Enfim, na liga√ß√£o de hoje, procurei diretamente o setor de marketing e falei com uma mo√ßa chamada Poliana. Esta mo√ßa me disse que a imobili√°ria n√£o tem nada a ver com o envio de mensagens. Indaguei sobre a associa√ß√£o do n√ļmero de telefone da imobili√°ria no texto e ela disse que quem envia a mensagem √© a construtora (neste caso, a Rossi) e que eles ‚Äúapenas vendem‚ÄĚ os im√≥veis. Mentira deslavada. Eu jamais entrei em contato com a Rossi e seria muita ingenuidade achar que a mensagem com apelo de venda seria &nbsp;enviada pela construtora e n√£o pela empresa respons√°vel por vender os im√≥veis.

Pelo jeito que a Poliana me respondeu, deu pra sacar que meu toque dado sobre o envio de mensagens n√£o solicitadas foi sumariamente ignorado. Por isso resolvi escrever este post.

Enviar spam via SMS não é fazer mobile marketing. Tem gente jogando dinheiro fora com isso às custas da paciência de destinatários que não autorizaram o recebimento de mensagens ineficientes. A péssima avaliação feita por quem recebe estas mensagens atrapalha mais do que ajuda a empresa que quer divulgar um produto.

Este tipo de coisa me deixa chateado e ao mesmo tempo com um fio de esperan√ßa. Desanimado por causa da incompet√™ncia e m√°s inten√ß√Ķes que inundam as pr√°ticas de marketing por a√≠ e esperan√ßoso pois isso mostra que h√° espa√ßo para aqueles que desejam fazer alguma coisa bem feita.

Pra falar a verdade, em promoção, publicidade e marketing, fazer bem feito (ou seja, nada além do que é correto) já te coloca anos luz a frente dos líderes de mercado.

Abandonando a mediocridade

Este é o segundo de dois posts muito especiais resgatados dos arquivos do blog. Eles tratam do apagão de mão-de-obra qualificada no Brasil. Em especial no setor de comunicação e tecnologia. São 05 textos que consolidei em dois posts. Originalmente foram publicados em julho de 2010.

Abandonando a mediocridadeParte 01 ‚Äď Produ√ß√£o Web

Aproveitando o momento de choque de realidade proporcionado pelo post sobre o apagão da mão-de-obra, imagino que seja interessante para muita gente saber como reverter a situação atual e deixar de ser um estudante ou profissional medíocre. Começarei pela Produção Web.

Então…  O Sérgio e o Dito deram algumas dicas nos comentários do post. Darei sequencia a elas e procurarei proporcionar algum tipo de auxílio a quem quer sair desta desconfortável posição.

Em primeiro lugar, √© legal verificar se voc√™ faz parte do contingente de estudantes / profissionais med√≠ocres. Para tanto, fa√ßa algumas pondera√ß√Ķes:

  • Voc√™ j√° recebeu alguma negativa em um processo de sele√ß√£o de alguma empresa sem motivo aparente ou com a justificativa de que sua qualifica√ß√£o ou conhecimento est√£o aqu√©m do demandado para a vaga? N√£o vale aqueles casos em que voc√™ mandou um portf√≥lio ou CV e a empresa nem respondeu. Existe muita empresa mal-educada que n√£o d√° retorno aos candidatos. Nestes casos, n√£o necessariamente a quest√£o √© com o candidato‚Ķ
  • Voc√™ acha que as exig√™ncias listadas nas vagas ofertadas s√£o muito altas dentro da sua √°rea de forma√ß√£o? Ex: Se voc√™ quer trabalhar com produ√ß√£o, acha que √© muito abuso da empresa querer que voc√™ saiba PHP ou domine JavaScript?
  • Voc√™ desconhece mais do que 25% dos itens exigidos nas descri√ß√Ķes das vagas para as quais voc√™ pensa em se candidatar ou se candidata? Ex: Voc√™ n√£o sabe o que √© JQuery, Tableless, APIs‚Ķ

Se voc√™ respondeu ‚Äúsim‚ÄĚ a pelo menos uma dessas perguntas, uma mudan√ßa de atitude profissional √© imperativa pois, necessariamente, voc√™ se encaixa naquela categoria de profissionais / estudantes e talvez seja esta a causa de sua posi√ß√£o atual.

Mas não tema… Há sempre o que fazer para mudar a sua situação. Abaixo, algumas coisas importantíssimas.

  1. Capacite-se em ingl√™s. Fa√ßa urgentemente um curso e trate de dominar o idioma. J√° disse um milh√£o de vezes e direi enquanto achar suficiente. Antes de sair fazendo cursos espec√≠ficos ou p√≥s-gradua√ß√Ķes, fa√ßa um curso de ingl√™s. O conhecimento deste idioma ser√° importante para voc√™ tirar melhor proveito de qualquer curso que quiser fazer.
  2. Busque conhecimento em fontes gratuitas online. O Dito mencionou o¬†Lynda, mas tem tamb√©m o¬†php. net, o¬†w3schools, o pr√≥prio¬†w3c¬†e o site do¬†Maujor¬†(para n√£o dizer que n√£o mencionei ningu√©m que propaga informa√ß√£o bacana para capacita√ß√£o em portugu√™s). Nestes sites h√° muito conte√ļdo bacana para voc√™ aprender muito sobre HTML, JavaScript, CSS e PHP (ferramentas muito importantes para quem quer trabalhar com Produ√ß√£o Web). Fa√ßa os tutoriais, tenha paci√™ncia e dedique-se‚Ķ √Č compreendendo seus erros (mesmo os exerc√≠cios mais b√°sicos reservam desafios) que voc√™ aprender√° de verdade.
  3. Compre um livro. Recomendo o do Maujor e o dos Deitel. São abrangentes o suficiente para ajudar quem já conhece um pouco e também quem não conhece nada. Adicionalmente, dê uma olhada nos títulos da editora Novatec (vale sempre explicar que eu não estou recomendando nada em troca de dinheiro ou de qualquer outra coisa). Eles têm bons títulos. Coma estes livros. Entenda o que está lá. Estude, leia e releia.
  4. Dedique-se e pratique! Exercite-se bastante. Construa os exemplos dos livros e depois faça os seus próprios… Coloque o que você fez no ar em um site seu. Apareça.
  5. Quando você começar a dominar o assunto, mostre o que você sabe. Discuta sobre o assunto num blog e mostre o que você sabe fazer em um site seu. Além de ajudar mais gente, você mostrará o quanto sabe e colocará a sua cara a tapa. Discuta suas ideias e mostre do que você é capaz.
  6. Como o S√©rgio falou, pense diferente. Quando voc√™ come√ßar a dominar algum assunto, pensar fora da caixa ser√° natural. Exercite esta capacidade e mostre do que voc√™ √© capaz. Pense em solu√ß√Ķes alternativas e caminhos mais f√°ceis que coloquem em pr√°tica o que voc√™ aprendeu.
  7. Por √ļltimo, volte a se candidatar as vagas que antes eram imposs√≠veis para voc√™. Aposto que os resultados come√ßar√£o a ser diferentes.

√Č claro que esta √© uma lista pequena e muito simplificada, mas √© um √≥timo come√ßo. Tenho certeza que depois de chegar nas etapas 4 ou 5 voc√™ perceber√° mudan√ßas sens√≠veis em sua capacidade profissional e em sua postura.

N√£o tenha d√ļvidas de que voc√™ s√≥ ter√° a ganhar estudando, se capacitando, adotando uma postura humilde e pensando de forma diferenciada. N√£o h√° contra-indica√ß√Ķes.

Bem, espero ter ajudado… Em breve, novas dicas para quem quer se aventurar em outras carreiras ligadas a comunicação e tecnologia.

Parte 02 ‚Äď Design de Interfaces

Dando sequencia √†s reflex√Ķes sobre o apag√£o da m√£o-de-obra qualificada ‚Äď especialmente no mercado de comunica√ß√£o e tecnologia ‚Äď aventuro-me neste post a falar sobre o design de interfaces.

√Č incr√≠vel perceber, gostaria de ressaltar antes de come√ßar o post em si ‚Äď como √© comum vermos hoje em dia (em pleno ano de 2010) que tem gente que chama o designer de interfaces de webdesigner‚Ķ Quest√£ozinha que me d√° at√© pregui√ßa‚Ķ Mas √© legal deixar claro que n√£o se trata da mesma coisa. O que se chamava no passado de webdesigner n√£o existe mais hoje; era aquele profissional que, sozinho, dava conta de toda a produ√ß√£o de um site. Hoje, feitas as devidas adapta√ß√Ķes, o webdesigner estaria mais para um gestor de projetos do que para um cara que desenha interfaces em si. Este cara, o que desenha as interfaces, e o seu trabalho s√£o os pontos centrais de minha reflex√£o de hoje.

Falando sobre este trabalho, então, não é difícil percebermos que tem muita gente querendo trabalhar com isso. Entretanto, novamente temos aqueles grandes agrupamentos de categorias (ou capacidade / qualidade) dos profissionais…

  • Uma minoria √≠nfima tem talento e √© capaz de propor algo novo e bacana.
  • Um grande contingente simplesmente replica o que v√™ e tem certo dom√≠nio da ferramenta para execu√ß√£o e, com isso, mant√©m-se no mercado sem muito destaque.
  • Um contingente ainda maior que o anterior √© de gente ruim de servi√ßo.

Como todo mundo quer sempre subir um degrau nesta escala de qualidade profissional, espero aqui ajudar com algumas dicas. De quebra, imagino que ajudarei algumas pessoas a abandonarem o estado de mediocridade profissional e garantir seu lugar ao sol. Obviamente seria um delírio achar que todo mundo deveria (ou conseguiria) se encaixar no estágio avançado de propor coisas novas e se dar bem com isso. Entretanto, é legal sabermos que às vezes a gente vai se encontrar quase lá. E comportar-se de acordo com isso é importante; especialmente para não levarmos grandes rasteiras da vida.

  1. Entenda que¬†ser um bom designer de interfaces √© algo que vai al√©m do dom√≠nio de uma ferramenta ou outra. Voc√™ deve compreender o que √© design, ter boas no√ß√Ķes de composi√ß√£o, equil√≠brio e de cores. A ferramenta em si √©, como j√° disse, secund√°ria. Saber o que deve ser feito √© infinitas vezes mais importante do que saber o que cada bot√£o faz num software. Cuidado para n√£o entender errado‚Ķ N√£o quero dizer que voc√™ n√£o deve dominar as ferramentas, mas sim que apenas domin√°-las n√£o faz de voc√™ um bom designer de interfaces. Para entender isso, h√° algumas boas fontes, on e offline. Os livros do¬†Modesto Farina, o do¬†Jo√£o Gomes Filho¬†e tamb√©m o do¬†Felipe Mem√≥ria¬†podem ajudar bastante nisso. O do Felipe, inclusive, deve ser lido por quem quer trabalhar com planejamento e com experi√™ncia tamb√©m. Mas disso falaremos num momento mais adiante. Dentre as refer√™ncias online, a¬†Communication Arts¬†√© uma excelente pedida. Confesso que tenho um pouco de pregui√ßa daqueles sites que re√ļnem uma listagem de sites bonitos. Isso porque geralmente n√£o se v√™ muita cria√ß√£o, mas sim replica√ß√£o‚Ķ
  2. Colecione boas referências. Navegue bastante, leia bastante, assista bastante, preste atenção e tudo o que você vê nas ruas e fora delas. O tempo todo. Tudo pode ser uma boa referência. Mas a coisa não para por aqui. Você deve aprender a tratar as referências como referências. Policie-se para não sair por aí replicando as coisas que vê. Este é um grande desafio.
  3. Compreenda que desenvolver interfaces demanda conhecimento daquilo que voc√™ vai fazer, mas tamb√©m conhecimento do p√ļblico que vai usar aquilo que voc√™ vai fazer e ‚Äď obviamente ‚Äď das inclina√ß√Ķes estrat√©gicas da entidade para a qual voc√™ vai fazer aquela interface. Procure, ent√£o,¬†conhecer o usu√°rio, suas caracter√≠sticas, costumes e demandas, bem como aquilo que os concorrentes da entidade que lhe contratou para desenvolver aquela interface fazem e quais s√£o os objetivos desta entidade tanto no que se refere a esta interface em si quanto no que se refere as estrat√©gias mais abrangentes da entidade.
  4. Tenha em mente que¬†desenvolver interfaces √© uma etapa num processo maior, que acontece depois que ensaios visuais foram feitos e que pesquisas foram conduzidas e antes que as solu√ß√Ķes sejam efetivamente constru√≠das. Levem em considera√ß√£o, ent√£o, que voc√™ deve saber trabalhar em grupo, se envolver em etapas anteriores e envolver produtores e programadores que colocar√£o as m√£os na massa em etapas posteriores. E que fique bem claro que todos est√£o trabalhando para atingir um objetivo comum. Este tipo de envolvimento √© bacana pois reduz riscos de retrabalho, garante o alinhamento do projeto e minimiza as chances de algo dar errado. Se voc√™ √© um bom profissional e se v√™ em uma empresa que n√£o pratica estas boas pr√°ticas, tentar implement√°-las √© uma excelente demonstra√ß√£o de sua capacidade e potencial. Se voc√™ n√£o √© um bom profissional, nem perceber√° que √© uma falha quando isso n√£o acontece. E se voc√™ √© um profissional med√≠ocre, vai reclamar quando algu√©m da produ√ß√£o ou do planejamento der algum pitaco que macule a sua obra de arte. Pense nisso.
  5. Desenvolva suas capacidades no uso das ferramentas. Esta dica √© a √ļltima justamente pois penso que este dom√≠nio, embora seja uma maneira bem f√°cil e eficiente de as empresas filtrarem os bons profissionais, n√£o deve ser o seu objetivo final de desenvolvimento profissional. Guarde isso:¬†todo bom designer de interfaces domina as ferramentas. Mas nem todos os que dominam as ferramentas s√£o bons designers de interfaces. Uma coisa que recomendo a todos √© evitar cursos puramente voltados ao uso dos software. Normalmente estes cursos s√£o pouco produtivos. Costumo recomendar cursos aplicados a objetivos ou procedimentos espec√≠ficos e tamb√©m a utiliza√ß√£o for√ßada‚Ķ Algo que mistura a busca por refer√™ncias, o aprendizado online por meio de tutoriais e o desenvolvimento de capacidades a partir do exerc√≠cio for√ßado. pegar uma composi√ß√£o bacana e se propor a replicar aquele efeito que voc√™ achou legal √© um excelente exemplo disso. √Č o famoso ‚Äúaprenda fazendo‚Ä̂Ķ Costuma ser mais eficiente do que um curso para saber quais s√£o os atalhos da ferramenta.

√Č claro que esta √© uma lista bem curta. Se voc√™ procurar um bom designer de interfaces, como o¬†Herbert Rafael¬†ou o¬†Daniel Negreiros, eles te falar√£o muitas outras coisas bastante eficientes e mais espec√≠ficas. De qualquer forma, imagino que estas cinco dicas listadas acima podem te ajudar a sair de um estado de mediocridade profissional e coloc√°-lo no rumo de um futuro mais bacana.

Parte 03 ‚Äď Atendimento e GP

Então você se encaixa numa categoria que quase se gaba poor não ter que dominar código, saber fazer layouts e ainda assim quer trabalhar no crescente e promissor mercado de comunicação e tecnologia. Good for you! Lembre-se, no entanto, que, embora bastante comum em empresas de comunicação offline, um atendimento em empresas de tecnologia e comunicação não tem o direito de ser acéfalo…

Saiba que é muito fácil você acabar sendo demitido(a) ou nunca contratado(a) se achar que dá para permanecer sem saber como as coisas funcionam ou o que é possível fazer ou não em um projeto de comunicação e tecnologia. Claro que tem gente que vai achar que é muito mais fácil desempenhar este papel (o de atendimento) num mundo onde as tecnologias mudam com uma rapidez absurda e que os profissionais responsáveis pela execução dos projetos ralam como loucos. Entretanto, a verdade não é bem essa.

Um primeiro motivo para esta n√£o ser uma verdade √© que existem empresas que insistem em misturar o atendimento com o gestor de projetos (GP) e isso acaba por tornar a vida deste profissional um caos. Entendo que √© muito complicado manter uma estrutura grande em v√°rios casos, mas quando n√£o √© poss√≠vel ter dois profissionais distintos para estas fun√ß√Ķes, deve existir uma contra-partida salarial e de carga de clientes. Ent√£o, a primeira coisa a fazer √© saber dimensionar a capacidade de gerenciamento de contas que um profissional deve desempenhar na empresa. Esta quantidade n√£o deve ser muito grande pois isso facilmente gerar√° decep√ß√£o por parte dos clientes e isso nada √© bom para os neg√≥cios. &nbsp; Outra coisa importante que empresas costumam negligenciar √© que este profissional ‚Äď por ser muito exigido e desempenhar papel importante nos projetos ‚Äď deve ser remunerado de forma adequada. Se a empresa quiser pagar pouco, ter√° sempre que se contentar com ac√©falos. A√≠, n√£o h√° do que reclamar. Cada um cava sua cova.

Tratadas as quest√Ķes estrutural e de condi√ß√Ķes de trabalho (que s√£o de responsabilidade das empresas), vamos ao que √© demandado deste profissional. Como j√° disse, muita gente acha que este √© o trabalho mais ‚Äúmamata‚ÄĚ da empresa, mas n√£o √© por a√≠. Este profissional deve ter um bom conhecimento de tudo o que √© poss√≠vel ser feito, de todas as tecnologias e possibilidades de atua√ß√£o existentes e ser um excelente comunicador e intermediador de rela√ß√Ķes. De nada vale um atendimento que funciona apenas como um leva-e-traz de demandas por parte do cliente e de respostas por parte da empresa. Este profissional deve ser capaz de ‚Äď quando no cliente ‚Äď saber responder o que a empresa d√° conta de fazer, ter boa no√ß√£o de prazos e capacidades e tamb√©m ser capaz de frear as viagens do cliente, passando a ele um panorama real de tudo o que ser√° feito. Do lado da empresa, ele deve ser capaz de representar o cliente ali, junto aos profissionais de planejamento e de produ√ß√£o. Ele deve conhecer o cliente muito bem para saber ‚Äď antes de apresentar alguma proposta ‚Äď se aquilo vai ser aprovado ou n√£o tem chances. Sua import√Ęncia √© vital pois √© ele quem representa a empresa junto ao cliente e tamb√©m representa o cliente dentro da empresa. Viu s√≥ como este profissional √© importante? Se for um ac√©falo, a empresa estar√° dando um tiro no pr√≥prio p√©!

Como se n√£o bastassem as atribui√ß√Ķes e caracter√≠sticas acima descritas, h√° empresas (e n√£o s√£o poucas) que ainda empilham nas costas destes profissionais a fun√ß√£o de gerenciar projetos. Como disse, n√£o acho que isso √© legal, mas‚Ķ N√£o sou eu quem regula o mercado. Assim sendo, vamos a algumas caracter√≠sticas imprescind√≠veis que um gestor de projetos deve ter. Al√©m de ter as boas no√ß√Ķes de prazos, capacidades, possibilidades e um bom conhecimento do or√ßamento e das diretrizes do projeto, este profissional deve ter uma excelente no√ß√£o de tempo para bem planejar as atividades que ser√£o desempenhadas. Ele deve ser o respons√°vel pela montagem de um cronograma v√°lido (Este papo de que ‚Äúnenhum cronograma √© respeitado‚ÄĚ √© coisa de gente ruim de servi√ßo. N√£o √© para me gabar, mas em meus cinco √ļltimos trabalhos, me vi encurralado com um cronograma desumano, mas respeitei todos os prazos que me foram impostos e entreguei tudo o que me pediram nas datas combinadas. E olha que n√£o eram trabalhos que dependiam apenas de mim‚Ķ)&nbsp; e de cuidar para que este cronograma seja cumprido. Ele deve saber alocar recursos e profissionais dentro da empresa e cobrar o que for necess√°rio ser entregue pelo cliente.

Al√©m disso tudo, este profissional tem papel fundamental no planejamento da solu√ß√£o. Sem que tem empresa que ainda empilha mais esta fun√ß√£o ao profissional, mas a√≠ √© demais. Este tipo de coisas simplesmente n√£o funciona e quem faz isso, em minha opini√£o, tem mais √© que se dar mal mesmo. Empilhar tr√™s fun√ß√Ķes √© for√ßar demais a barra. O ideal √© que sejam tr√™s profissionais distintos (atendimento ‚Äď GP e Planejamento). Empilhar duas fun√ß√Ķes (Combine o empilhamento como quiser) ainda vai. Mas tr√™s, √© demais.

Donos de empresa e profissionais, lembrem-se de que a gan√Ęncia √© a ru√≠na do homem. Se voc√™ quer ganhar mais e contratar menos gente, isso ter√° consequ√™ncias. Se voc√™ quer ganhar mais e acumular fun√ß√Ķes, saiba que isso ter√° consequ√™ncias‚Ķ

Entretanto,&nbsp; o profissional que gerencia os projetos deve ter um excelente tr√Ęmite tanto junto ao planejamento quanto com a dire√ß√£o de arte e a produ√ß√£o; sem mencionar o cliente.

Novamente pergunto, retoricamente: viu como este profissional n√£o pode ser um ac√©falo? Se voc√™ quer ser este profissional, saiba que ele ganha muito bem (ou pelo menos deve ganhar) e que o b√īnus n√£o vem desacompanhado de √īnus (normalmente √© o cara que mais se estressa durante um projeto, e √© o que menos pode demonstrar isso).

Para não ser um profissional medíocre, então, um resumo de qualidades a perseguir:

  1. Não seja um ignorante digital. Conheça tecnologias, possibilidades e capacidades. Entenda de conceitos novos e saiba que você sempre será demandado por parte do cliente para explicar o que deve ser feito e os motivos de tal coisa ser feita de um jeito ou de outro. Você deve ser capaz de prometer entregar algo que a sua produção consiga fazer. &nbsp;Saber falar a língua do cliente e também a da produção é primordial. Os pré-requisitos não são poucos.
  2. Ter um excelente jogo de cintura. Você vai ter que lidar com prazos apertados vindos do cliente e muitas vezes empurrados para a produção. Você vai ter que agradar ambos. Boa capacidade de comunicação e ser uma pessoa que se relaciona facilmente com os outros são importantes para este profissional.
  3. Saber que voc√™ dever√° ter conhecimento mais do que b√°sico de planejamento, dire√ß√£o de arte, produ√ß√£o e ‚Äď claro ‚Äď gest√£o de projetos. Este conhecimento n√£o √© t√©cnico necessariamente, mas sim do que consistem estas atividades. Voc√™ sera muito cobrado e cobrar√° muito. √Č preciso ter conhecimento para isso.
  4. Lembre-se: você representa o cliente na empresa e a empresa no cliente. Aprenda a agir profissionalmente e de maneira completa. Conheça bem o cliente e também a empresa. &nbsp;Saiba gerenciar expectativas e cobranças.
  5. Por √ļltimo, aprenda que √© importante ser uma pessoa organizada √© algo mais do que imprescind√≠vel para desempenhar estas fun√ß√Ķes. Se voc√™ perder o fio da meada, muita coisa ruim vai acontecer com seu projeto, seu cliente e, consequentemente, com seu emprego.

Bem, espero que estas dicas ajudem voc√™ profissional e tamb√©m voc√™ que tem uma empresa; afinal, n√£o √© s√≥ responsabilidade do empregado respons√°vel por estas fun√ß√Ķes fazer as coisas andarem.

Parte 04 ‚Äď Planejamento

Post rapidinho para dar sequ√™ncia aos apontamentos de solu√ß√Ķes para o apag√£o da m√£o-de-obra qualificada.

Um profissional de planejamento med√≠ocre que trabalha com comunica√ß√£o e tecnologia √© aquele que j√° tem o site / produto / a√ß√£o completamente planejado enquanto o atendimento lhe repassa o briefing. √Č aquele profissional que acha que um microsite (uma aberra√ß√£o tamb√©m chamada de hotsite) resolve qualquer problema de lan√ßamento de produto e acredita no mantra de que o importante √© ‚Äúgerar buzz‚ÄĚ (seja l√° o que isso queira dizer). Ou seja: um profissional de planejamento med√≠ocre √© aquele que trabalha com solu√ß√Ķes pr√©-fabricadas e n√£o entende (ou acha que n√£o precisa saber) as necessidades dos usu√°rios e de seu cliente. Suas propostas n√£o inovam e nem se modificam. E o mais grave: ele acha que sabe algo. E isso √© muito perigoso!

Para ser bem direto, se voc√™ se enxergou em alguma(s) das afirma√ß√Ķes sobre um profissional de planejamento med√≠ocre apresentadas acima, eis algumas dicas para voc√™:

  1. Seu trabalho n√£o acontece dentro de quatro paredes. &nbsp;Saia da sua sala e v√° para a rua. Conhe√ßa o usu√°rio que vai se beneficiar daquilo que voc√™ est√° fazendo (ou planejando). Conhe√ßa as reais necessidades do cliente que te contratou. Converse com ele. Procure entender o que deve ser bom para estes dois ‚Äústakeholders‚ÄĚ em especial. Ganhar um pr√™mio de criatividade deve ser uma consequ√™ncia e n√£o um objetivo. Pense que seu objetivo √© fazer algo que seja apropriado para as necessidades do usu√°rio e que atinja os objetivos do cliente. Observe os concorrentes e aprenda a aproveitar o que h√° de melhor e evitar replicar o que h√° de ruim nestas iniciativas. Pesquise antes de come√ßar a apontar solu√ß√Ķes baseadas em sua ‚Äúexperi√™ncia‚ÄĚ. Aprenda a ensaiar e a testar antes de apresentar uma solu√ß√£o final.
  2. Seu trabalho n√£o √© centrado em voc√™. &nbsp;Seu trabalho √© centrado no usu√°rio que vai se beneficiar daquilo que voc√™ est√° fazendo (planejando). N√£o ache que voc√™ conhece o usu√°rio sem ter ido a campo e realmente observado, conversado e aprendido. Muitas vezes vemos solu√ß√Ķes concebidas com base em pr√©-conceitos (no sentido restrito da express√£o) e que n√£o funcionam. Para evitar isso √© legal ter sempre em mente que o profissional de planejamento √© muito importante porque ele deve ser o profissional capaz de transformar esta massa bruta de informa√ß√Ķes em uma proposta de solu√ß√£o adequada, e n√£o porque ele j√° conhece como o usu√°rio pensa. Ali√°s, quando algu√©m falar isso, saiba que trata-se de principal cart√£o de visitas de um profissional de planejamento med√≠ocre.
  3. Seu trabalho n√£o consiste em reinventar a roda. &nbsp;Isso n√£o quer dizer que todas as solu√ß√Ķes propostas por voc√™ devem ser iguais‚Ķ Entenda: Voc√™ n√£o tem que ser inventivo, voc√™ precisa ser atento e competente para planejar solu√ß√Ķes adequadas para os usu√°rios e ‚Äď obviamente ‚Äď que estejam dentro dos objetivos propostos pelo cliente que te contratou. Isso quer dizer que os trabalhos n√£o t√™m que ser totalmente in√©ditos, eles t√™m que ser adequados. Esta adequa√ß√£o pode implicar em adaptar algo que j√° funciona hoje sem ter que reescrever tudo a partir do zero‚Ķ Entendeu?
  4. Seu trabalho n√£o depende apenas de voc√™. &nbsp;Voc√™ √© parte de uma equipe. Se voc√™ planejar algo que n√£o pode ser executado, seu trabalho n√£o valeu muito. Se voc√™ planejar algo que est√° em desacordo com as diretrizes passadas a voc√™, voc√™ n√£o fez um bom servi√ßo. Se voc√™ se fechar numa salinha e resolver tudo sem consultar o cliente, o atendimento, conversar com o designer de interface, o produtor e pesquisar com o usu√°rio, voc√™ n√£o ter√° feito um bom trabalho. Voc√™ n√£o √© obrigado a saber tudo. Por isso existe uma equipe. O profissional que acha que sabe tudo, n√£o √© um profissional, √© um idiota. Voc√™ tem que se lembrar que seu trabalho tem um objetivo ‚Äď apontado pelo cliente ‚Äď e uma prioridade ‚Äď atender as necessidades dos usu√°rios. Ningu√©m consegue atingir um objetivo e atender uma prioridade t√£o amplos como estes sozinho.
  5. Seu trabalho n√£o se resume ao que voc√™ tem que fazer. &nbsp;Aprenda a perguntar. Profissionais de planejamento costumam se colocar numa posi√ß√£o de or√°culo, dando mais respostas do que fazendo perguntas. Isso n√£o deve existir. Voc√™ precisa conversar e tentar ir al√©m, tendo em mente o objetivo e a prioridade que foram apresentadas acima. Fazer al√©m √© extrapolar aquelas linhas da OS dentro destes par√Ęmetros. N√£o se trata de fazer o que n√£o foi pedido, afinal, voc√™ n√£o tem bola de cristal. Trata-se de resolver problemas de maneira eficiente pensando al√©m (pode ser em termos de prazo, de alcance ou de escopo). Outra coisa importante, dentro desta premissa √© entender que seu trabalho deve ser complementado com os expertises dos outros membros da equipe. O trabalho deve ser feito em conjunto, sempre!
  6. Seu trabalho demanda ficar atento e prestar aten√ß√£o em tudo a sua volta. Planejar a√ß√Ķes implica em saber caminhos que podem ser seguidos. Para saber qual caminho escolher, √© preciso conhecer os caminhos e entender os destinos para os quais estes caminhos levam. Isso quer dizer que voc√™ deve experimentar as coisas, saber como elas funcionam e entender o que h√° por tr√°s delas. Se voc√™ n√£o tiver este conhecimento, fatalmente suas propostas de solu√ß√Ķes ser√£o ainda mais limitadas.

Update: São capacidades imprescindíveis para um profissional de planejamento:

  • Saiba trabalhar com m√©todos e t√©cnicas de pesquisa
  • Saiba perguntar e retirar a ess√™ncia nas respostas recebidas
  • Saiba se explicar por meio de textos e visualmente
  • Saiba trabalhar em equipe
  • Saiba conversar com usu√°rios, cliente e equipe

O apag√£o da m√£o-de-obra qualificada

Este é o primeiro de dois posts muito especiais resgatados dos arquivos do blog. Eles tratam do apagão de mão-de-obra qualificada no Brasil. Em especial no setor de comunicação e tecnologia. São 05 textos que consolidei em dois posts. Originalmente foram publicados em julho de 2010.

Na semana passada estava conversando com o Fred e um dos assuntos foi: estamos vivendo um apagão de mão-de-obra qualificada.

Sem sombra de d√ļvidas, estamos sim vivendo este apag√£o. Um dos indicativos mais latentes desta falta de m√£o-de-obra √© este pr√≥prio blog. Se n√£o fosse pelo apag√£o, ele estaria √†s moscas, mas ultimamente tem virado um balc√£o de vagas disponibilizadas pelos colegas do mercado que sabem que eu tenho um p√ļblico primordialmente formado por profissionais da √°rea e futuros profissionais (meus alunos). Sei que tem gente que n√£o gosta que o blog seja substitu√≠do por um balc√£o de vagas, mas √© meio que incontrol√°vel.

Como a coisa j√° se instalou, vamos √†s perguntas e a√ß√Ķes pr√°ticas:

Onde se manifesta o apag√£o?O apag√£o √© claro na √°rea de tecnologia. Desenvolvedores de interface, gestores de projeto, designers de experi√™ncia e de intera√ß√£o, programadores, profissionais de planejamento e marketing eletr√īnico s√£o os que mais est√£o fazendo falta por a√≠‚Ķ

Muito embora seja fácil notar que há vários cursos de graduação e pós nessas áreas (ou que contemplem estas áreas) o pessoal se divide em três grupos básicos:

  1. os bons de servi√ßo que j√° est√£o empregados ou trabalham como freelancers e que d√£o o pre√ßo de seus servi√ßos (ou seja: escolhem sal√°rios) ‚Äď Esta galera representa algo entre 01 e 05% do total.
  2. profissionais ou estudantes medianos, que d√£o conta do recado e, por isso mesmo, vivem pulando de emprego em emprego (se paga R$ 10,00 a mais no sal√°rio, o povo t√° indo) ‚Äď Este montante representa algo entre 45 e 50% do total da m√£o de obra ofertada.
  3. profissionais ou estudantes medíocres. Este grupo dispensa apresentação e representa os 50% restantes da mão de obra ofertada.

Qual é o tamanho do apagão?Pelas contas feitas a partir dos grupos acima listados, dá para perceber facilmente que o mercado está trabalhando com uma capacidade ociosa alta. Praticamente todo mundo está precisando de gente de qualidade para trabalhar e não está encontrando.

Deve ficar bem claro que a quest√£o n√£o √© falta de gente. Gente tem de sobra. O problema √© que n√£o tem gente capaz. Ou seja: embora tenha muita gente desempregada, isso n√£o indica que o mercado est√° saturado. Mas de jeito nenhum! O que acontece √© que tem muita gente ruim de servi√ßo e pouca gente realmente qualificada!&nbsp; Por mais que isso possa te deixar com raiva de mim, lembre-se que n√£o sou eu quem est√° falando, √© o empregador‚Ķ √Č o dono de ag√™ncia, de produtora e de f√°brica de software‚Ķ Esse pessoal est√° arrancando os cabelos pois tem demanda de trabalho mas n√£o consegue achar gente boa o suficiente para trabalhar.

Sou um empregador, o quê devo fazer?Em primeiro lugar, tentar se virar com o contingente de mão-de-obra que tem. Num segundo momento, vejo algumas atitudes que não podem ser ignoradas:

  1. Seja realista e evite buscar aquele funcionário canivete-suíço. Este cara não existe e, se existisse, não estaria disposto a receber o que você quer pagar.
  2. Aumente sua proposta de salário. Isso ajudará a fazer os bons profissionais considerarem ficar mais tempo com você.
  3. Crie um ambiente bacana para o funcion√°rio se sentir estimulado a trabalhar em sua empresa.
  4. Seja honesto com seus clientes com relação a esta questão de mão-de-obra e ajuste seus contratos. Talvez você esteja cobrando pouco demais e isso causa um efeito cascata em sua estrutura.
  5. Procure treinar profissionais que j√° trabalham com voc√™ e tamb√©m os novos funcion√°rios. Custa caro e √© arriscado, mas se voc√™ oferece um bom sal√°rio, um bom ambiente de trabalho e boas condi√ß√Ķes, os riscos s√£o minimizados. Investir em treinamento pode ser uma boa sa√≠da para o apag√£o, mas n√£o funciona isoladamente.

Sou um profissional (ou quase). O qu√™ devo fazer para tirar proveito do apag√£o?Antes de mais nada, seja honesto consigo mesmo e verifique em qual das tr√™s categorias de profissionais / estudantes voc√™ se encaixa. Se voc√™ se encaixa no grupo 1, relaxe e aproveite. Se se enquadra no grupo 2, procure uma empresa para ficar mais tempo trabalhando e lembre-se que se voc√™ ficar pulando de galho em galho, n√£o crescrer√° em lugar algum. Tente ‚Äúaquetar o faixo‚ÄĚ um pouco para crescer numa empresa que seja bacana para voc√™. O mercado de trabalho n√£o √© uma boite‚Ķ Encare um emprego como um relacionamento que voc√™ tem que trabalhar em conjunto com seu empregador para que seja duradouro.

Se você se encaixa no terceiro grupo de profissionais / estudantes, há muito para fazer:

  1. Passe a levar as coisas mais a s√©rio. O mercado de trabalho n√£o √© como a escola, onde se voc√™ fizer o m√≠nimo necess√°rio, se d√° bem. Aqui ningu√©m quer saber se o seu colega de grupo ‚Äúbarrigou‚ÄĚ o projeto inteiro e sua responsabilidade pelo fracasso deve ser minimizada em fun√ß√£o disso. O pessoal quer resultados. Ent√£o acorde para a realidade!
  2. Capacite-se. A culpa não é da sua escola. Falo isso pois sei que escola nenhuma te capacitará por completo. Assim sendo, mexa-se e corra atrás! Pode fazer cursos o quanto quiser, mas se você não se comprometer de verdade, nunca sairá do lugar. Esta capacitação inicial é primordial para você se dar bem depois. Pense nisso.
  3. Depois da capacita√ß√£o b√°sica, v√° al√©m! Especialize-se em algo. Escolha uma coisa e corra atr√°s dela. Aprenda a avaliar as oportunidades que aparecem e veja de que tipo de profissional o mercado est√° precisando. Busque ser este profissional. Pode ser com cursos, pode ser de maneira aut√īnoma. Em rar√≠ssimas situa√ß√Ķes uma certifica√ß√£o oficial lhe ser√° exigida. Ent√£o, n√£o √© ‚Äúfazendo um curso‚ÄĚ que voc√™ vai se capacitar. Muito menos abandonando a escola de vez. O segredo √© realmente cursar algo ou comprometer-se com algo (caso n√£o exista algum curso ou algo semelhante).
  4. Estude um segundo idioma. A totalidade dos medíocres ignora o inglês ou chega até a se orgulhar de não saber inglês. Pois tenha noção que sem inglês você perde muito. Perde em material de treinamento que é disponibilizado online gratuitamente em inglês, perde em leitura de livros bacanas e material técnico que não é traduzido, perde em oportunidades de trabalho pois o mundo inteiro anda precisando de gente bacana.
  5. Pratique, pratique e pratique! Mesmo que voc√™ esteja desempregado ou nunca trabalhou, pratique e monte um portf√≥lio de projetos e de tudo o mais que voc√™ sabe fazer. √Č errando que se aprende.
  6. Mostre-se! Crie uma presença online bacana o suficiente para que os empregadores saibam que você existe!
  7. Seja humilde. Entenda que dificilmente somos os melhores do mundo em alguma coisa. Assim sendo, aprenda a reconhecer a limitação de suas capacidades e seja honesto sobre elas.
  8. Reconheça seus erros e amadureça. Se alguém da empresa disser que algo que você fez não ficou legal, não leve para o lado pessoal. Reconheça, corrija e aprenda com seu erro. Fechar os olhos para isso é uma sentença de morte profissional.
  9. Saiba que você deve começar por baixo. Provavelmente o pessoal ainda não te conhece. Então, fica difícil você exigir o melhor cargo e o mais alto salário. Aprenda a trabalhar com o que lhe é oferecido e aproveite cada oportunidade para crescer.
  10. Tenha paciência e saiba a hora de pedir aumento ou aumentar o seu preço. Isso demora, mas não é inalcançável. Você vai ter que trabalhar por pouco dinheiro por muito tempo, mas isso vai compensar.

Conclus√£oTem muita vaga sobrando. Tem muita gente med√≠ocre sobrando. Enquanto voc√™ n√£o fizer nada a respeito, a coisa vai continuar assim. Uma coisa que aprendi logo no come√ßo da minha gradua√ß√£o ‚Äď h√° quase quinze anos ‚Äď foi que n√£o existe falta de trabalho para quem √© bom de servi√ßo. At√© o momento, n√£o vi nenhum exemplo para suspeitar que isso n√£o seja uma grande verdade. Outra verdade √© a de que quem √© realmente bom de servi√ßo faz o seu sal√°rio. Novamente, nunca me deparei com nenhuma ocorr√™ncia que contrariasse isso. Ou seja: o apag√£o existe e √© um buraco cheio de oportunidades para quem quer se dar bem. V√£o se dar bem o profissional que souber aproveitar as oportunidades e os empregadores que os empregarem.

Sobre marketing e relacionamentos

Para quem nunca percebeu, relacionamentos entre empresas e consumidores são como relacionamentos entre pessoas. Sempre uso esta analogia em sala de aula; meus alunos devem estar cansados de ouvir. Funciona com estratégias de venda, relacionamento (óbvio), fidelização e desenvolvimento de produtos.

Veja o caso do¬†Data Liberation Front. √Č a pr√≥pria empresa (no caso, Google) te dizendo o que fazer caso voc√™ queira se desligar dela. Claro que isso n√£o √© novidade. H√° uma p√° de servi√ßos que oferecem este tipo de informa√ß√£o e funcionalidade a seus usu√°rios. Outro exemplo √© o do¬†SquareSpace, que usa esta possibilidade como argumento de venda.

O fato é que é eficiente. E muito.

Como nos relacionamentos pessoais (pense em um namoro, por exemplo): quanto mais possessiva e ciumenta é uma parte, maior é a propensão da outra parte querer se desvencilhar e partir pra outra, certo? Para usar uma analogia zen, pense numa mão segurando um monte de areia. Se a mão fica aberta, a quantidade de areia é maior do que a que fica quando se fecha a mão…

Pra pensar, né?